BLOG Maurino Veiga

Compartilhando conhecimentos e uma boa leitura.

12 jul

Problemas de Gestão e Liderança são a maior causa de falência empresarial: Entenda!

Blog, Coaching e Mentoring, Comunicação Eficaz, Gestão do Tempo, Liderança de Alto Desempenho No Response

De acordo com o SEBRAE, entre 2014 e 2018, a taxa de sobrevivência das empresas com 2 anos passou de 76,6% para 68%. Enquanto 25% dessas empresas alegaram que o motivo foram os problemas de gestão e liderança. Bem como a falta de estrutura administrativa e operacional adequada.

Sabe-se que os dois primeiro anos são os mais complicados para qualquer empreendimento. No entanto, não garantir medidas importantes para qualificar a gestão e administração do seu negócio pode acabar com sua chance de prosperar no mercado.

Infelizmente, mesmo que de 2009 até 2016 os MEI tenham saído do 0 para 6 milhões, o SEBRAE também aponta que a maioria das empresas vai à falência entre os 2 e 5 primeiros anos de vida. E o que mais nos alarma: as maiores causas para esses números estão relacionadas à falta de planejamento e erros de administração, gestão e liderança.

O que gera tantos problemas de gestão e liderança no mercado brasileiro?

Pode ser que você saiba que o fruto da sua falta de sono durante à noite é não conseguir administrar o seu dinheiro. Separar sua vida pessoal da profissional, não saber que rumo seu negócio vai tomar. Ou mesmo a dificuldade de lidar com a pressão de tudo isso acontecendo ao mesmo tempo, tomando seu tempo livre.

Saiba que esse contexto não é uma realidade de exclusividade sua. Essas, na verdade, são as maiores “dores” dos empreendedores que estão lutando para sobreviver no mercado. Ou mesmo que já perderam essa batalha.

Ainda com base nos levantamentos estatísticos do SEBRAE, podemos notar, comparativamente, algumas falhas na gestão das empresas que fecharam. Ao lado de medidas tomadas por empresas bem sucedidas. O resultado:

gestão e liderança

Tabela da pesquisa do SEBRAE evidenciando os pontos em comum dos perfis das empresas que não sobreviveram.

Dentre os fatores que levam as empresas à falência, podemos notar a escassez de planejamento, boa negociação, aperfeiçoamento de estratégias ou investimentos favoráveis para o crescimento da empresa.

Pode-se notar, também, que o fato de os gestores não se manterem atualizados, buscando diferenciais e inovações constantemente. Bem como validando e avaliando seus planejamentos, também determinou o fracasso das empresas da pesquisa.

Algumas práticas, dinâmicas e métodos garantem que os problemas que citaremos a seguir não ocorram nas empresas. No entanto, sabemos que não é uma tarefa fácil garantir a integração assertiva de setores, equipes e processos numa empresa.

Por isso, recomendamos que você utilize essa leitura à seu favor. Fazendo uma análise dos pontos que podem estar ocorrendo em seu negócio agora. Assim, você poderá garantir, antes da falência, que seu sonho de prosperar no mercado não vá por água abaixo.

Comunicação deficiente

Problemas recorrentes como falta de tempo, dinheiro, foco, dificuldade de conciliar Tempo x Tarefas. O estresse com os funcionários, a execução inadequada de tarefas e os conflitos entre equipes e setores. Tudo isso evidencia a comunicação deficiente de um negócio.

Pode ser que o motivo pelo qual aquele funcionário, que pareceu tão promissor na hora do recrutamento, não está conseguindo se desenvolver agora seja a orientação inadequada por parte do responsável pela gestão e liderança.

A ausência da comunicação estratégica (ou seja, objetiva, clara,  bem definida e focada) elimina as chances dos colaboradores de se desenvolverem.  Pessoal e profissionalmente. Além de dar ao time a impressão de que o gestor não é flexível, compreensivo. Ou mesmo habilidoso para o cargo.

Gestão ineficiente: liderança sem equilíbrio

De acordo com uma outra pesquisa do SEBRAE, foram analisados os fatores que contribuem para a sobrevivência e mortalidade das empresas de 2 anos no Brasil. E os resultados evidenciaram, dentre as empresas que fecharam, os seguintes fatores em comum:

-Empresários que estavam desempregados antes de abrirem o negócio
-Empresários com pouca experiência no ramo
-Empresários que abriram o negócio por necessidade. Por isso, tiveram pouco tempo para planejar
-Empresários que não conseguiram negociar com forecedores nem empréstimos em bancos
-Empresários que não investiram em sua própria capacitação em gestão e liderança empresarial

-Ausência de aperfeiçoamento e inovação de produtos/serviços
-Ausência de investimento na capacitação dos colaboradores

-Ausência de acompanhamento rigoroso de receitas e despesas

Percebe como todos esses fatores dizem respeito ao gestor?

O primeiro ponto a se observar é a relação que se constrói entre gestor e equipe. Ninguém gosta de trabalhar “no escuro”, sem objetivos e tarefas bem definidas. Essa é uma prática que sabota a motivação e a produtividade no trabalho. E também garante um mau aproveitamento de recursos.

Dessa forma, é fundamental que os líderes e gestores estejam sempre munidos de aprendizados, técnicas, ferramentas, métodos e ensinamentos para compartilhar com a equipe. De modo a traçar uma comunicação aberta e bem definida.

O que surge como maior desafio para os gestores aqui é separar a vida pessoal da profissional. Seja sob o aspecto emocional, do tempo ou mesmo financeiro.

Conquistar a liderança colaborativa e equilibrada pode ser desafiador. Mas não é impossível. garante, em grande parte, que sua empresa não sofra com tantos problemas administrativos, operacionais e de recursos humanos.  

Falta de planejamento a curto, médio e longo prazo

Ainda pior do que a falta de planejamento, são os planejamentos estratégicos que não vão até o fim. Ou seja, quando a empresa não tem algo que a “norteie” em busca de objetivos e resultados, nem modelo de acompanhamento.

Isso faz com que o empreendimento se torne apenas mais um negócio “solto” no mercado e invisível em meio aos grandes concorrentes.

E a principal consequência disso é a perda constante de dinheiro por falta de eficiência. Porque sem um planejamento e um acompanhamento, não se pode nem ao menos medir de que forma os recursos estão sendo aproveitados.

É muito comum vermos casos de empreendedores brasileiros que conseguem manter a empresa sobrevivendo, mas sempre no “susto” e no improviso. O que veta a possibilidade de inovar, investir e qualificar.

Ou seja, aqui podemos entender também a forma como os problemas de gestão e liderança interferem nos resultados financeiros, operacionais, administrativos, e assim por diante.

A gestão deficiente desencadeia uma série de problemas, com uma bola de neve. Se não forem tomadas medidas assertivas, é só uma questão de tempo para que a empresa vá à falência.

Eu mesmo já tive um cliente que passou fome porque teve que baixar as portas da sua empresa, em função de uma péssima gestão que resultou na falência. No fim, ele ficou totalmente desmotivado de ver que perdeu sua chance no mercado e até sua família, que não tinha nada a ver, pagou o pato junto sofrendo necessidades.

Pouca capacitação para tarefas administrativas, estratégicas, de gestão e liderança

Para uma boa gestão e liderança, é preciso buscar conhecimento técnico e aprimorar as habilidades constantemente. Afinal, de nada adianta tantos conhecimentos específicos sobre todas as áreas da empresa, bem como sobre as boas práticas para comunicação, planejamento e gestão de pessoas eficiente, se o gestor não tiver conhecimentos técnicos aguçados.

Isto é, conhecimentos técnicos específicos acerca do ramo de atuação do líder na gestão empresarial.  

Se você se assustou com o fato de a grande maioria dos empresários cujo negócio fechou em dois anos não terem experiência na área, pode ficar tranquilo(a). Esse não será um problema se você, aos poucos, investir cada vez mais em suas especializações, habilidades e capacitações.

Como as empresas bem sucedidas desviam deste problema? E como você pode garantir que seu negócio fuja dessas estatísticas negativas?

Sei bem como é passar horas trabalhando, se estressando e preocupando, para chegar ao fim do mês e perceber que, mais uma vez, você está no vermelho e pode não ter dinheiro para pagar os funcionários.

A sensação é de medo, frustração e estresse. Você começa a alimentar crenças sobre suas próprias capacidades, acreditando que não foi capaz de conseguir manter o negócio e que só perdeu tempo, dinheiro e saúde física e mental.

Para boa gestão e liderança é preciso um dia de 40 horas e um capital inicial enorme? Não!

Um outro engano comum que nos atinge nesse contexto assustador é acreditar que as empresas bem sucedidas nunca passaram por isso. Ou mesmo que os gestores, nesses casos, trabalham por horas e horas à fio para garantir o sustento. Ou então que estes tinham um capital injustamente superior ao que você tinha quando começou.

A verdade é que é muito comum passar por esses apertos. Especialmente nos primeiros anos no mercado. Acontece que, garantir algumas medidas desde o princípio é o segredo chave para que você não faça parte da preocupante estatística do SEBRAE.

Agora, continue lendo para descobrir quais são essas medidas e como você pode investir nelas, mesmo tendo pouco tempo e pouco dinheiro.

→ Desenvolvimento de Liderança colaborativa

A liderança colaborativa consiste na descentralização de tarefas e tomadas de decisões, a fim de possibilitar que os funcionários cresçam dentro da empresa por meio de tarefas delegadas com qualidade.

A sinergia entre as equipes é estimulada com uma liderança colaborativa. De forma que a colaboração entre todos acontece sem pressão, cobranças ou conflitos. Assim, todos podem aprender e crescer juntos.

Daí a importância da comunicação estratégica como habilidade de qualquer líder, visto que este deverá mediar a distribuição das tarefas, orientações sobre elas, administrará os eventuais conflitos e será responsável por repassar feedbacks.

→ Foco na Administração de conflitos e problemas

Mesmo que uma empresa bem sucedida tenha gestão e liderança de qualidade, é natural que surjam conflitos. Afinal, estamos falando de seres humanos. É preciso que o líder saiba gerenciar os conflitos, apaziguando divergências e sendo sempre imparcial.

A ausência dessa habilidade pode incentivar a competitividade ruim, a entrega desqualificada de trabalhos, a desmotivação dos funcionários e até mesmo a falta de confiança e bom relacionamento entre gestores e colaboradores.

→ Comunicação estratégica

Você deve ter notado que para aplicar a maioria das habilidades e conhecimentos de gestão e liderança, o líder deve ser dotado de aguçada capacidade comunicativa. Afinal, ele é o responsável por repassar informações e objetivos, explicar atividades e metas, ajudar a motivar as equipes, repassar feedbacks, etc.

Além disso, quando um gestor sabe se comunicar estrategicamente e com eficiência, a confiança e segurança entre ele e o time cresce. Fazendo com que os outros o admirem e o tenham como referência de profissional.

→ Avaliação e monitoramento de resultados

Para que seja possível identificar o que está falhando e o que está dando certo, é completamente imprescindível que a empresa tenha métricas de monitoramento e avaliação dos resultados e avanços.

Essa é a única forma de saber o que está causando os problemas que tanto estressam e preocupam os gestores. Essa é uma medida que garante a segurança de qualquer negócio frente à instabilidades.

Imagine você indo dormir tranquilo. Depois de aproveitar o fim de dia com a família, sabendo que sua empresa está em ordem. Sabendo que você está capacitado para enfrentar os desafios e conquistas. Imagine que você teria tempo para fazer tudo o que deseja e precisa fazer. Imagine sua vida se você tivesse o dinheiro que sonha em lucrar com sua empresa.

Esse cenário é uma realidade para os gestores e líderes que se empenham nas métricas de avaliação e monitoramento para os planejamentos que fazem. Bem como para aqueles que investiram em uma gestão e liderança colaborativa, assertiva, estratégica e desenvolta.

→ Mentoring Executivo

O mentoring executivo ou empresarial é uma abordagem comprovada, voltada para a condução e orientação dos pupilos em função dos avanços da organização patrocinadora.

A orientação do mentoring aumenta as taxas de retenção, promoções e satisfação dos funcionários. O que contribui para o desenvolvimento profissional de cada um.

Após desenhar a estrutura do programa de mentoring junto ao mentor, deve-se atrair e orientar os colaboradores sobre a abordagem que será feita. Em seguida, basta implantar as medidas definidas e acompanhar os resultados.

Você pode conquistar a lucratividade e saúde financeira de um negócio próspero com o mentoring executivo. Mesmo que você tenha pouca experiência, tempo ou dinheiro.

Espero que a leitura tenha sido enriquecedora para você, líder e gestor, que deseja lapidar suas capacidades em função da prosperidade do seu negócio.

Qual foi a última vez que você se sentiu tranquilo sobre os resultados da empresa? Se faz tempo que isso te tira a paz, você realmente precisa conhecer o mentoring executivo para garantir que todas as habilidades citadas aqui (e diversas outras) sejam do seu domínio e know how.

Se quiser se livrar do estresse e das noites em claro que o risco de colocar você, sua família e boa parte dos seus funcionários em situação de necessidade e endividamento, conheça mais sobre o programa de mentoring: 

Quero conhecer o programa!


2 Comments

Would you like to join the discussion? Feel free to contribute!

Write a Reply or Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Treinamento de Vendas… 5 de julho de 2018 TREINAMENTO DE VENDAS mentoria executiva 12 Resultados da Ment… 19 de julho de 2018